VEJA AS NOVIDADES

20 de setembro de 2013

Acusado de matar Aryane Thaís é condenado a 17 anos de prisão em regime fechado.

Mesmo negando a autoria do crime, o acusado de matar a estudante Aryane Thaís, Luiz Paes de Araújo Neto, foi condenado a 17 anos e seis meses de prisão pelo 1° Tribunal do Juri da Comarca de João Pessoa, na noite desta quinta-feira (19).

Aryane Thaís foi encontrada morta às margens da BR 230 no dia 15 de abril de 2010.

Exames periciais confirmaram que Aryane estava grávida de Luiz Paes de Araújo Neto. De acordo com os autos do processo, Luiz tinha se encontrado com Aryane na noite anterior a que o corpo foi encontrado e o casal chegou a discutir por conta da gravidez indesejada.

Para a mãe da jovem, Hipernestre Carneiro, o júri pode significar um ponto final em uma história de luta por justiça, que já dura três anos e quatro meses.

"A notícia do júri popular foi recebida com ansiedade pela família e para mim é uma grande vitória, que eu gostaria de compartilhar com as outras mães que perderam seus filhos e filhas, gostaria de dizer a cada uma dessas mães que nunca deixem de acreditar, que nunca desistam de lutar por justiça pelos seus filhos", disse.

Em 2012, a defesa de Luiz Paes de Araújo Neto entrou com um Recurso em Sentido Estrito para evitar o júri popular, mas a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba rejeitou o pedido. A tentativa da defesa de impedir o julgamento do acusado em júri popular também foi frustrada pelo Supremo Tribunal de Justiça, quando negada pelo ministro relator da 5ª Turma do STJ em 2013.

"Enquanto for necessário eu permanecerei lutando, porque hoje eu ainda choro, mas não é um choro violento por ter perdido a minha filha, mas a cada vitória eu sinto ela me estimulando, porque minha luta não é em vão e o que eu prometi a minha filha eu vou cumprir”, concluiu Hipernestre.

No caso Ariane, o advogado Genival Veloso vai atuar na defesa do réu, e como assistente de acusação, o advogado Abraão Beltrão. Na Promotoria de Justiça atuará o promotor Alexandre Varanda Paiva. A sessão será presidida pelo juiz Marcos William de Oliveira.

Fonte: Portal Correio