VEJA AS NOVIDADES

14 de dezembro de 2013

Aeronautas e aeroviários recusam proposta das empresas aéreas e decretam estado de greve.

 Os aeronautas, pilotos, copilotos e comissários de bordo e os aeroviários que trabalham em terra decidiram decretar estado de greve, após rejeitarem a proposta de reajuste salarial feita pelas empresas aéreas.

A decisão foi tomada em assembleias realizadas nesta sexta-feira (13) em várias cidades do país. Durante as reuniões, as duas categorias aprovaram indicativo de paralisação para a próxima sexta-feira (20).
Na próxima terça-feira (17), os aeroviários planejam realizar mobilizações em diversos aeroportos do país e entregar aos passageiros uma carta para informar sobre a greve prevista para a sexta-feira.

Os aeronautas pedem aumento salarial de 8%, além de folgas fixas anuais, folgas regulamentares, duração mínima da jornada de trabalho, previdência privada, plano de saúde, entre outras reivindicações.

Os aeroviários também querem reajuste de 8%, além de aumento de 20% na cesta básica, no vale-alimentação, no vale-refeição e nas diárias, e a criação de piso salarial para as funções de atendente de check-in e despachante.

Na quarta-feira (18), será realizada uma nova rodada de negociações entre as categorias e os sindicatos patronais. As empresas aéreas ofereceram reajuste salarial de 5,6%, equivalente à variação do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) em 12 meses.

De acordo com o Sindicato Nacional dos Aeronautas e o Sindicato Nacional dos Aeroviários, há atualmente cerca de 84 mil profissionais das duas categorias em todo o país.
Em nota, o SNEA (Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias) informou que um acordo foi feito na última quarta-feira (11) com parte dos aeroviários do país.
 
Segundo o sindicato, trabalhadores dos aeroportos dos Estados de São Paulo, Amazonas, Minas Gerais e Rio de Janeiro aceitaram a proposta de reajuste do piso salarial em 7%, em 5,6% para quem ganha até R$ 10 mil e um aumento fixo de R$ 560 para os aeroviários que recebem mais de R$ 10 mil.
 
Ainda de acordo com o SNEA, a mesma proposta foi feita aos aeronautas e aeroviários ligados ao Fentac/CUT (Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil da CUT), que, segundo o sindicato, ficaram de avaliá-la. A reportagem do UOL tentou entrar em contato com a Fentac, mas não obteve retorno.

Fonte: Uol.com