VEJA AS NOVIDADES

10 de dezembro de 2013

Uruguai deve aprovar mercado legal para a maconha nesta terça-feira.

O Senado começa a debater a medida às 9h30, com a aprovação pela coalizão governista sendo amplamente esperada antes de a noite acabar. Como os senadores rejeitaram todos os pedidos de emendas depois de a medida ter sido aprovada na Câmara, seu voto será final.

O presidente Joé Mujica diz que o objetivo não é promover o uso da maconha, mas repelir o crime organizado.
O governo espera que quando cultivadores licenciados, fornecedores e usuários puderem negociar a droga abertamente, traficantes ilegais sairão do país ao não conseguir lucrar. "Isso é uma praga, assim como os cigarros", disse Mujica há alguns dias.

A Comissão de Saúde do Senado ouviu vários argumentos para afastar-se do plano, que tornará o Uruguai o único país onde o governo está no centro do mercado de maconha legal no mundo.

Psiquiatras preveem um aumento nas doenças mentais. Farmacêuticos disseram que a venda de maconha em conjunto com drogas prescritas prejudicaria sua imagem profissional.

O impacto negativo da maconha no aprendizado é bem conhecida, e "está relacionada ao fracasso educacional, a problemas de comportamento e a sintomas depressivos", testemunhou o professor Nestor Pereira, representando a Administração Nacional de Educação Pública.

Mas as comissões do Senado enviaram a proposta ao plenário sem mudanças, esperando evitar que a medida voltasse à Câmara, onde foi aprovada pela diferença de um voto.

O deputado socialista Julio Bango, que é coautor da medida, disse à Associated Press que "essa não é uma lei para legalizar o consumo de maconha, mas para regulá-lo. Atualmente há um mercado dominado por traficantes de drogas. Queremos que o Estado o domine."

O projeto inclui uma campanha de mídia, lançada na sexta-feira (6), que tem o objetivo de reduzir o fumo de maconha alertando sobre os perigos que causa na saúde humana.

O presidente da Junta Nacional de Drogas do Uruguai, Julio Calzada, disse à AP que nenhuma farmácia ou quaisquer outros negócios serão forçados a vender a droga.

Calzada disse que seu escritório terá 120 dias para elaborar a regulamentação após a votação, e trabalha a toda velocidade. Mujica prometeu que seu governo trabalhará durante os tradicionais feriados do verão para tornar as leis tão precisas quanto possível.

"Haverá muito a discutir e no qual trabalhar. Passaremos o verão trabalhando. Não há nenhuma mágica nisso", disse.

Em relação às preocupações de que o Uruguai poderia se tornar uma meca para o turismo de maconha, Mujica afirmou que o produto será legalmente vendido apenas para adultos uruguaios licenciados e registrados.


Fonte: Últimos Segundo Ig