VEJA AS NOVIDADES

2 de junho de 2014

Maior cordelista do Brasil segue desaparecido; família aflita pede ajuda para encontrá-lo.

Continua desaparecido o maior poeta de cordel da atualidade no Brasil, Manoel Monteiro, 77 anos. O poeta, conhecido nacionalmente por suas publicações sobre o folhetim, está desaparecido desde as oito horas da manhã desta sexta-feira (30/05). Ele saiu de casa  dizendo que iria entregar uma material em uma gráfica no Centro de Campina Grande, e desde então, não deu mais notícias. O aparelho celular do poeta, ficou em sua casa. A família já está desesperada e busca, inclusive pelas redes sociais, obter alguma informação sobre o seu paradeiro.

Manoel Monteiro mora em Campina Grande e saiu de casa cedinho da manhã e não retornou mais. Segundo sua filha Kátia Maria Luzia Monteiro, a última pessoa que o avistou foi José do Nascimento Coelho, presidente do Sindicato dos Comerciários, no Terminal Rodoviário Argemiro Figueiredo. Aflita, Kátia postou várias mensagens no facebook, tentando conseguir alguma informação do paradelo do cordelista.

Segundo apurou a família, Manoel Monteiro estaria embarcando de ônibus para Recife. Ela garante, entretanto, que o pai não tinha nenhuma viagem planejada. Manoel Monteiro é diabético e sofreu um infarto no começo do ano. Segundo os familiares, desde que sofreu um infarto em março deste ano ele parecia ligeiramente depressivo. Ele estava trajando blusa azul escura de tecido e calça preta. Qualquer informação pode ser dada ligando para os fones (083) 3341.6536 ou (083) 8680.5649.

Kátia viaja nesta segunda-feira para Recife, onde buscará imagens supostamente do cordelista, gravadas pelo circuito interno do metrô da capital pernambucana.

Manoel Monteiro da Silva é natural de Bezerros, a 102 km de Recife (PE), mas desde 1955 que mora em Campina Grande, onde foi radicado.

Membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, ele é um dos mais importantes cordelistas do Brasil e o maior poeta de cordel da atualidade no país, com mais de 150 folhetos publicados.

Fonte: PBAgora