VEJA AS NOVIDADES

9 de junho de 2014

Milan confirma demissão de Seedorf e Filippo Inzaghi como novo técnico.


O Milan anunciou na manhã desta segunda-feira que Clarence Seedorf não é mais o treinador da equipe.


Em seu lugar, chega o também ex-jogador rossonero Filippo Inzaghi, que assina contrato até junho de 2016. O clube ainda não informou se a apresentação oficial de "Pippo" ocorrerá nas próximas semanas ou apenas depois da Copa do Mundo no Brasil, que se encerra no dia 13 de julho.

A passagem de Seedorf pelo San Siro chega ao fim menos de seis meses depois do holandês encerrar sua carreira de jogador - na época, no Botafogo - para assumir o comando rossonero.


Em sua primeira empreitada como técnico, o ex-meia colecionou tropeços e não conseguiu reerguer Milan após mau começo de temporada com Massimiliano Allegri. O clube rubro-negro terminou o Campeonato Italiano apenas na oitava colocação, a 45 pontos do campeão Juventus. Em 22 jogos, teve 11 vitórias, nove derrotas e dois empates.


A demissão de Seedorf era iminente, uma vez que até mesmo o dono do clube, Silvio Berlusconi, havia declarado que o holandês era "passado". De acordo com o jornal "La Gazzetta dello Sport", o ídolo do Milan continuará a receber seu salário por parte do clube até que encontre uma nova equipe para comandar - ou, então, até o fim de seu contrato, apenas em junho de 2016. 

O substituto Filippo Inzaghi, de 40 anos, teve uma trajetória vitoriosa como atleta, destacando-se no Atalanta, Juventus e, principalmente, no Rossonero, pelo qual atuou em 300 partidas e anotou 156 gols (sexto artilheiro da história do clube) durante 2001 e 2012. Pela Azzurra, o ex-centroavante realizou 57 jogos (25 gols), participando das Copas de 1998/2002/2006, tornando-se campeão desta última. Ao pendura as chuteiras´no Milan, iniciou trabalho de treinador nas divisões inferiores no próprio clube.

Segundo a "Gazzetta dello Sport", Inzaghi deve receber € 700 mil (R$ 2,1 milhões) - cerca de € 58,3 mil (R$ 177,5 mil) mensais. O ex-atacante é o terceiro treinador diferente do Milan em um intervalo de seis meses. A última vez que isso havia ocorrido foi em 2001, quando Cesar Maldini foi sucedido por Fatih Terim e Carlo Ancelotti.

Fonte: Globo Esporte