VEJA AS NOVIDADES

9 de setembro de 2014

Avião foi derrubado na Ucrânia, confirma relatório preliminar.

O voo MH17 da Malaysia Airlines, que caiu no dia 17 de julho no leste da Ucrânia com 298 pessoas a bordo, foi derrubado por uma série de "objetos voadores em alta velocidade" disparados de fora do avião, confirma o relatório preliminar da Junta holandesa de Segurança sobre as causas do acidente. "Não houve problemas técnicos", afirma o documento de 34 páginas.

"O voo MH17, operado pela Malaysia Airlines, se despedaçou no ar, provavelmente como resultado de danos estruturais causados por um grande número de objetos de alta energia que penetrou na aeronave de fora", disse o relatório, apontando que isto explica o fim abrupto do registo de dados dos gravadores, a perda simultânea de contato com o controle de tráfego aéreo e o desaparecimento da aeronave de radar.

Segundo o documento, o Boeing 777-200 foi verificado quando decolou de Amsterdã e levava uma "tripulação qualificada e experiente."

Troca de acusações

O Boeing explodiu no céu sobre a leste da Ucrânia quando voava de Amsterdã a Kuala Lumpur, em 17 de julho, matando todos os 298 passageiros a bordo, incluindo 193 cidadãos holandeses.

O governo ucraniano acusou os separatistas pró-Rússia de terem abatido o avião com um míssil terra-ar fornecido por Moscou. A Rússia nega a acusação, rejeitando também as alegações ocidentais de envolvimento direto no conflito na Ucrânia, que já dura cinco meses, e culpou o exército ucraniano pela ação.

O relatório final deve ser publicado nos próximos meses, disse a porta-voz da junta holandesa, Sara Vernooij.

Fonte: Folha de São Paulo