VEJA AS NOVIDADES

22 de setembro de 2014

Facções usam Facebook para incitar crime na PB.


Fotos de armas, frases com conteúdos de apologia ao crime e ao uso de drogas, além de desenhos e ilustrações que remetem à violência são exemplos de conteúdos encontrados em perfis e grupos existentes nas redes sociais cujas pessoas se dizem pertencer a facções criminosas que atuam em João Pessoa e na Região Metropolitana da cidade.

Sem medo de punição, é na internet que os perfis atribuídos aos grupos 'Okaida' e 'Estados Unidos (EUA)' mostram os rostos e exibem fotografias de armas, bebidas alcoólicas e desenhos de monstros e cenas de atos de violência, como assassinatos. Na maioria dos perfis, as fotos aparecem acompanhadas por frases de incentivo ao crime.

Em pelo menos cinco páginas visualizadas pela reportagem, os participantes das contas, entre meninos e meninas, aparentam ser adolescentes. Conforme as informações disponibilizadas nos perfis e grupos, os usuários seriam dos municípios de Santa Rita, na Região Metropolitana, Mamanguape, no Litoral Norte, além dos bairros como Mandacaru, Torre e Alto do Mateus, na capital. Em uma das contas, os participantes mencionam a atuação do grupo em diferentes bairros das cidades e postam frases para amedrontar os rivais.

Entre os conteúdos de apologia ao crime, os responsáveis pelos perfis fazem publicações referentes à rivalidade entre a 'Okaida' e 'EUA', como o grupo 'Os Okaidaz', que conta com 262 membros. Entre os conteúdos divulgados, há fotos de adolescentes com uniforme escolar, armas, drogas e cenas de assassinato. Em outro perfil, como o 'Okaida da Silva', que conta com 61 membros, a fotografia principal é uma imagem de Osama bin Laden, líder e fundador do grupo terrorista “Al-Qaeda”.

A participação de meninas nos perfis e grupos atribuídos às facções também é frequente e, além de expor o rosto, as garotas também postam fotografias usando roupa íntima e os conteúdos postados sugerem atos de violência e rivalidade entre a outra facção.

A existência desses perfis nas redes sociais é de conhecimento dos conselheiros tutelares, que também acompanham de perto a realidade dos adolescentes envolvidos na criminalidade. Um dos responsáveis pelo Conselho Tutelar da Região Norte de João Pessoa, Luiz Brilhante afirma que muitos dos perfis criados são verdadeiros e que os adolescentes utilizam a internet para a comunicação entre os grupos.

“A gente sempre acompanha vários desses adolescentes envolvidos com grupos e vejo que isso é verdade. Não só jovens, mas também crianças. A participação desses meninos nos grupos acontece na internet e também nas escolas. É uma situação triste”, disse o conselheiro.

Polícia diz que monitora perfis

Em 2013, quando frequentes protestos foram realizados em todo o país e na Paraíba, muitos grupos utilizaram as redes sociais para organizar os movimentos. Para tentar prevenir atos de violência durante as mobilizações, a Polícia Militar (PM) fez o monitoramento virtual de alguns grupos e perfis. Segundo o coordenador de comunicação da PM, major Cristóvam Lucas, esse trabalho é constante e quando há informações relevantes, o material é encaminhado à Polícia Civil do Estado.

“A gente fica observando essas postagens e se houver informação concreta, passamos para a Polícia Civil. Além de a nossa equipe de comunicação estar inserida nas redes sociais, também temos outras coordenações nesses espaços”, explicou o major, acrescentando ainda que, no ano passado, quando foram realizados protestos, a página da PM no Facebook ganhou mais de dez mil seguidores.

A Secretaria Estadual de Segurança e Defesa Social (Seds) também possui uma equipe de monitoramento nas redes sociais. De acordo com o delegado-geral adjunto, Isaías Gualberto, “a Polícia Civil faz o monitoramento na internet e, se houver indícios de fatos investigados nas redes sociais, há uma investigação”.

Para que a Segurança Pública possa localizar alguma conta na internet há casos em que é necessário autorização judicial, uma vez que os espaços virtuais não disponibilizam os dados das contas cadastradas. “Se há uma suspeita da Polícia a respeito do conteúdo postado por determinado perfil ou grupo para descobrir a veracidade do fato, a segurança deve solicitar através da Justiça”, explicou a MBA em Marketing Digital Tânia Lacerda.

A especialista orientou as equipes da Polícia Militar a fazer o monitoramento das redes sociais em 2013, durante o período de frequentes protestos que ocorreram no Estado. Segundo ela, as investigações partiram a partir do material postado em grupos abertos e de acesso público. “Através dos perfis públicos e dos grupos, nós localizamos as pessoas que estavam postando os conteúdos e a investigação foi feita a partir disso”, disse.

Fonte: Jornal da Paraíba