VEJA AS NOVIDADES

11 de novembro de 2014

Servidores do Judiciário estadual paralisam atividades nesta quarta.

Cerca de 3.400 servidores do poder judiciário da Paraíba realizam paralisação de 24 horas, nessa quarta-feira (12), em todo o Estado.

O ponto alto do movimento será um ato público na praça dos três poderes, em João Pessoa, e em frente ao Tribunal de Justiça, a partir das 14h, com participação de representantes de várias comarcas do estado.


A decisão de paralisar as atividades foi tomada em assembleia geral dos servidores, convocada pela Associação dos Técnicos, Auxiliares e Analistas Judiciais da Paraíba (Astaj-PB) e pelo Sindicato dos Oficiais de Justiça da Paraíba (Sindojus-PB).

De acordo com o presidente da Astaj, José Ivonaldo, durante a paralisação de 24 horas os serviços jurisdicionais serão diretamente afetados. Com isso, deixarão de ser realizadas audiências, atendimentos ao público nos cartórios, o cumprimento de mandados e decisões judiciais, entre outras atividades.

Os servidores reivindicam o estabelecimento de percentual para a database, que é em janeiro próximo, na ordem de 8%, percentual originalmente apresentado pela própria presidente do Tribunal de Justiça (TJ) em setembro último; a redução da jornada de trabalho ou o pagamento pela sétima hora trabalhada pelos servidores.

“Atualmente os servidores trabalham sete horas e recebem por seis, entre outros pontos que estamos reivindicando”, disse Ivonaldo.

Ainda de acordo com o presidente da Astaj, os servidores também protestam contra o que consideram tratamento desigual que recebem da parte da presidência do Tribunal de Justiça.

Para ele, a recente concessão (setembro último), por parte do TJ, do Auxílio-Moradia a juízes e desembargadores, no valor de R$ 4.377,73 por mês, inclusive para os que possuem residência própria nas localidades onde atuam, ilustra o quanto a atual administração do tribunal prioriza a magistratura em detrimento das dos servidores.

“Temos pendências há anos com o tribunal de justiça, do ponto de vista salarial, como por exemplo, a regulamentação da gratificação de produtividade, e nem por isso são resolvidas de maneira tão rápida, quatro minutos, como foi em relação a provação da resolução que concedeu o auxílio-moradia”, disse Ivonaldo.

Fonte: Ascom