VEJA AS NOVIDADES

4 de março de 2015

Secretaria de Saúde realiza campanha preventiva contra a Dengue e Febre Chikungunya.


O Secretario Vital Leopoldino, juntamente com o Prefeito Eduardo Caxias e as demais Secretárias, Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias, foram às ruas para alertar a população sobre a Febre Chikungunya, orientando quanto à prevenção e distribuindo materiais educativos para que a população possa colaborar com ações preventivas contra a Dengue e a Febre Chikungunya.


A campanha aconteceu no dia (27), percorreu ruas e avenidas do centro da cidade. Dentre outros assuntos relacionados, foram abordadas as responsabilidades que cabem ao morador;  como cuidar bem do lixo doméstico, não deixar água parada em vasos, pneus ou outros recipientes proliferadores do mosquito transmissor da dengue.

A febre chikungunya é uma doença viral parecida com a dengue, transmitida por um mosquito comum em algumas regiões da África. Nos últimos anos, inúmeros casos da doença foram registrados em países da Ásia e da Europa. 

O certo é que o chikungunya está migrando e chegou às Américas. No Brasil, o Aedes aegypti e o Aedes albopictus, mosquitos transmissores da dengue e da febre amarela, têm espalhado esse novo vírus pelo País. Seu ciclo de transmissão é mais rápido do que o da dengue. Em no máximo sete dias a contar do momento em que foi infectado, o mosquito começa a transmitir o CHIKV para uma população que não possui anticorpos contra ele. Por isso, o objetivo é estar atento para bloquear a transmissão tão logo apareçam os primeiros casos.
Na fase aguda da chikungunya, a febre é alta, aparece de repente e vêm acompanhadas de dor de cabeça, mialgia (dor muscular), exantema (erupção na pele), conjuntivite e dor nas articulações (poliartrite). Esse é o sintoma mais característico da enfermidade: dor forte nas articulações, tão forte que chega a impedir os movimentos e pode perdurar por meses depois que a febre vai embora.

Ao contrário do que acontece com a dengue (que provoca dor no corpo todo), não existe uma forma hemorrágica da doença e é raro surgirem complicações graves, embora a artrite possa continuar ativa por muito tempo.


























Assessoria de Comunicação
Ranys Ribeiro
Isaías Araújo
São José dos Ramos