VEJA AS NOVIDADES

16 de agosto de 2015

Campanha pede 10 MEGA de Internet em todas as escolas até 2016.

Mobilização nacional por Internet rápida em todos as instituições de ensino até o ano que vem convoca alunos, professores, coordenadores e diretores da rede pública de ensino de todo o país 

Pioneira no Brasil, a iniciativa da Fundação Lemann e do Instituto Inspirare, em parceria com o Instituto de Tecnologia & Sociedade (ITS) e a rede de mobilização, Nossas Cidades, tem como objetivo a universalização da Internet rápida em todas as escolas públicas brasileiras para tornar possível o uso de tecnologias da educação em salas de aula. 

A campanha chama atenção para o fato de que, além da infraestrutura, é necessário que haja uma velocidade minima para que a rede possa ser usada por todos os alunos no processo de aprendizagem. “A Internet rápida democratiza o acesso a recursos pedagógicos de qualidade e promove a personalização, permitindo que alunos com diferentes perfis aprendam no seu ritmo e a partir de seus interesses e necessidades”, afirma Anna Penido, diretora do Instituto Inspirare. 

Além disso, o uso das tecnologias como ferramentas de ensino aproxima a escola da realidade digital já vivida pelo aluno, despertando seu interesse e ampliando suas possibilidades de expressão. “O professor também ganha muito com a Internet na escola. Ela facilita a organização do tempo em sala de aula, o que o possibilita atuar de maneira mais intense como orientador na formação dos alunos e mediador do processo de aprendizagem”, afirma o director executivo da Fundação Lemann, Denis Mizne. 

O movimento espera impactar o Governo Federal com a assinatura, até o final deste ano, de um compromisso formal por Internet rápida em todas as escolas públicas brasileiras, a ser implementado já em 2016. “Se não houver uma iniciativa neste sentido, a tendência é um aumento das desigualdades existentes na educação brasileira, já que somente parte das escolas tiveram a rápida introdução de tecnologias digitais conectadas à Internet”, conta Mizne. 

Um mapeamento técnico encomendado pelo movimento mostra que, de acordo com dados do Censo Escolar de 2013, das 190.706 escolas incluídas no levantamento, apenas 58% delas (11.053) possuem acesso à Internet, índice que cai para 48% se levarmos em conta as que dispõem de bandalarga. Ronaldo Lemos, diretor do Instituto de Tecnologia & Sociedade (ITS), ressalta que não se trata apenas de infraestrutura, mas principalmente da velocidade do acesso. “A campanha Internet na Escola quer não somente a qualidade mas também a equipagem na educação do país”, afirma Lemos. 

Anna Livia Arida, Diretora da Rede Nossas Cidades, lembra que a Pesquisa TIC Educação, realizada em 2013 pelo Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (CETIC.br), apontou que apenas 19% das escolas públicas brasileiras contam com conexão superior a 2 MEGA de velocidade. “A campanha de mobilização Internet na Escola pede o engajamento de toda a sociedade para mudarmos esse cenário”, convoca. 

Para participar da campanha Internet na Escola, basta acessar o site http://internetnaescola.org/ . Lá, é possível realizar um teste online, rápido e gratuito que permite a alunos, professores e gestores escolares identificar a velocidade de conexão já disponível em suas escolas, enviar e-mail para a Presidência da República pedindo a assinatura do compromisso public por 10 MEGA de Internet em todas as escolas, além de compartilhar informações para ajudar na mobilização de toda a sociedade. A campanha conta também com uma página no Facebook (facebook.com/internetnaescola) onde é possível curtir e acompanhar todas as informações e ações relacionadas ao tema. 

Iniciativa sem conectividade ao redor do Mundo 

Em diferentes partes do globo já existem políticas para levar Internet de alta velocidade para escolas, alunos e professores. O acesso à rede já se tornou parte integrante do Direito à Educação. 

Em 2007, o Uruguai, por exemplo, criou o Plano Ceibal, que promoveu a inclusão digital no país e vem trabalhando para colocar a tecnologia a serviço da pedagogia. Este foi o primeiro país da América Latina a distribuir computadores portáteis a todos os 300 mil alunos de ensino fundamental e médio de suas 2,3 mil escolas. O Plano Ceibal aumentou de 5% para 80% os índices de acesso a computadores e Internet nas famílias de baixa renda. Além disso, o Uruguai foi apontado pelas Nações Unidas como o primeiro no ranking de inclusão digital e transparência governamental. 

Na Ásia, o exemplo inspirador vem da Malásia, onde a responsabilidade de viabilizar e manter a Internet nas escolas foi repassada para uma empresa privada, por meio de um leilão. Em contrapartida, ao conectar todas as escolas a organização deve colocar antenas de 4 GIGA em cada uma delas. O acesso à Internet é fornecido às escolas através da School Net, uma colaboração nacional entre os ministérios do governo federal e empresas locais que fornecem acesso à rede. Além disso, a Malásia foi o primeiro país no mundo a criar uma plataforma única de personalização do ensino e da aprendizagem. 

Nos Estados Unidos, o programa ConnectED, do governo Obama em parceria com grandes empresas, promete no mínimo 50 MEGA via fibra ótica por escola e wi-finassalas de aula. Mais recentemente, ao lançar o ConnectHome, que fortalece o uso educacional da Internet ao expander seu uso também em todas as casas do país, o presidente Americano declarou que o acesso à Internet não deve ser luxo e sim uma necessida de básica. 

Fonte: Assessoria de Imprensa Fundação Lemann 
+55 11 9775 00014 (Paula) 
+55 11 9870 02819 (Fernanda) 
Assessoriadeimprensa@fundacaolemann.org.br