VEJA AS NOVIDADES

7 de agosto de 2015

Menina de 10 anos fica em último, mas rouba a cena no Mundial de Kazan.

Quando voltar para o Bahrein, Alzain Tareq terá muitas histórias para contar aos amigos de escola. Com apenas 10 anos, a mais jovem nadadora em um Mundial roubou a cena em Kazan e ofuscou as principais estrelas durante as eliminatórias desta sexta-feira. Se no começo era ela quem pedia autógrafos, agora são os famosos que querem tirar fotos com a pequena nadadora, de apenas 1m36 de altura. Na área de entrevistas, foi a mais concorrida. Estreando nos 50m borboleta, terminou em último, mas saiu da piscina como grande destaque do dia.

- Quando voltar, vou dizer para os meus amigos que vim no Campeonato Mundial e que foi muito legal... Foi uma boa experiência. Amei todos os nadadores aqui. Peguei autógrafos com a Sarah, da Suécia, a Cate (Campbell), da Austrália, a Missy (Franklin), dos Estados Unidos, o Chad Le Clos, da África do Sul - contou a menina.


Mesmo tímida, Alzain Tareq lidou bem com todo o alvoroço ao seu redor. Respondeu a todas as dezenas de perguntas sobre o sentimento de participar da competição e os planos para o futuro. As respostas foram sempre curtas, mas mostraram uma maturidade de atleta além do que se poderia esperar para sua idade. Perguntada se gostou da sua prova, foi direta:
- Não. Eu acho que posso fazer melhor do que isso.

O tempo de 41s13 foi o último entre as 64 nadadoras inscritas. Também ficou um centésimo acima do seu melhor no ano: 41s12. A marca foi 4s81 pior que a da penúltima colocada, a malaia Fatoumata Samasseku, de 28 anos (36s31). O melhor tempo da eliminatória ficou com a sueca Sarah Sjostrom (25s43).

Segundo a pequena Tareq, seu objetivo principal é chegar aos Jogos Olímpicos. Provavelmente não no Rio de Janeiro no ano que vem, mas nas Olimpíadas de Tóquio em 2020 espera estar classificada.

- Meu objetivo é ir às Olimpíadas. Talvez em Tóquio, em 2020.

Pai e treinador, Belal Tareq também estava extasiado com a participação da filha e destacou que sua melhor prova ainda está por vir, os 50m livre, com eliminatórias marcadas para este sábado. Para ele, seria um feito enorme se a menina conseguisse vencer sua série. Ela entra com o quarto melhor tempo entre as nove rivais (38s21). A bateria contará ainda com outra nadadora mirim, Siri Arun Budcharern, de 13 anos, de Laos, e mais sete atletas com idades entre 15 e 20 anos.

- O principal objetivo dela é os 50m livre, amanhã. O mais rápido é de 36 segundos, então se ela puder ganhar a bateria, será incrível - disse Belal, que assumiu o posto de treinador principal da filha há seis meses, depois da morte do antigo técnico, Khalifa Ali.

Segundo o pai, Alzain Tareq é a mais rápida do Bahrein na categoria até 12 anos, onde compete, e chama a atenção por já nadar provas de 200m e 400m medley tão nova. Ela foi inscrita no Mundial após seu país receber quatro convites da Fina. 


- Ela começou a nadar quando tinha quatro anos. Com seis, já conseguia nadar muito bem o estilo livre. Acreditem ou não, mas ela nada os 200m e os 400m medley. Com 10 anos, poder fazer isso é incrível. 

Para o futuro, Belal acredita que Alzain poderá deixar o Bahrein para seguir se desenvolvendo em um país com mais tradição na natação. Algo que poderia ser facilitado pelo fato de a mãe ser escocesa e por toda a atenção atraída pela menina no Mundial. Porém, não pensa em levá-la antes dos 14 anos. 

- Por enquanto, preferimos que ela continue no Bahrein. Depois, traçaremos a melhor estratégia e vamos a algum outro lugar. Temos boa estrutura no Bahrein, espero que ela possa sair para se prepara em alto nível quando fora hora certa.

Fonte: Globo Esporte