VEJA AS NOVIDADES

20 de novembro de 2015

Pequim confirma assassinato de cidadão chinês pelo EI.

O Governo da China confirmou nesta quinta-feira (19) o "cruel assassinato" de Fan Jinghui, um cidadão de nacionalidade chinesa, por parte do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) e anunciou que os autores da execução terão que assumir as responsabilidades.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hong Lei, fez essa afirmação em comunicado divulgado pouco depois da primeira reação oficial de Pequim à notícia, na qual o governo chinês se declarou em estado de "choque" e assinalou que ainda precisava confirmar a informação.


O presidente da China, Xi Jinping, condenou com firmeza o assassinato e mostrou sua solidariedade com os familiares de Fan em declarações em Manila, a capital das Filipinas, onde participa da cúpula de líderes do Fórum de Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico (Apec), divulgadas pela agência oficial "Xinhua".

Xi reafirmou a oposição da China ao terrorismo e sua vontade de combater um fenômeno que definiu como o "inimigo público da humanidade".

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China também ofereceu suas condolências à família de Fan, o primeiro chinês sequestrado pelo EI de que se tem conhecimento, e garantiu que as autoridades chinesas fizeram "todos os esforços" para resgatá-lo, mas não puderam evitar que ele fosse "cruelmente assassinado".

"Sem consideração pela consciência humana nem uma base moral, a organização terrorista realizou esta ação violenta e a sangue-frio. O governo chinês condena fortemente essa ação desumana e, sem dúvida, fará com que os autores assumam suas responsabilidades", afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

Hong reiterou que o governo em Pequim está disposto a cooperar com a comunidade internacional na luta antiterrorista para garantir "a paz e a tranquilidade mundial".

"O terrorismo é o inimigo comum de toda a humanidade. O governo chinês se opõe a todas as formas de terrorismo e tratará de acabar firmemente com qualquer crime violento e terrorista que desafie as bases da civilização humana", disse o porta-voz.

O EI anunciou nesta quarta-feira (18) que executou Fan e outro refém, o norueguês Ole Johan Grimsgaard-Ofstad, em sua revista digital "Dabiq".

O grupo terrorista mostrou nessa publicação as fotografias dos supostos corpos dos reféns e acrescentou que os mesmos foram executados depois de terem sido "abandonados pelas nações e organizações apóstatas".

O governo norueguês qualificou o assassinato de Grimsgaard-Ofstad como um ato "bárbaro" e "repugnante".

Fonte: Terra